Filme de suspense com Jim Carrey?  Não deve dar certo, pensei.

Ledo engano!

Carrey interpreta um personagem com características densas e percebemos seus esforços para conter os trejeitos cômicos que nos acostumamos a ver.

A trama possui uma desenvoltura bem conduzida, embora em alguns momentos tenha-se a impressão de que ela se tornará confusa ou um pouco cansativa, porém suas reviravoltas não permitem que isso aconteça.

O personagem representado por Carrey é Walter Sparrow. É ele que narra os fatos desencadeados a partir do momento em que se atrasa (por ter sido mordido por um cachorro) para um encontro com sua esposa Agatha Sparrow (Virginia Madson). Enquanto Sparrow tenta chegar ao encontro, Agatha encontra no sebo onde espera, um livro intitulado “Número 23”, escrito por um tal de Topsy Kretts (Top Secret) e presenteia Walter com ele.

O estranho é que diversas passagens do livro reproduzem fielmente detalhes da vida de Walter, e ele começa a perceber o número 23 interligado ao seu passado e também ao seu presente. Tornando-se tão paranóico quanto o personagem da história, descobre que no final do livro acontece uma morte brutal. Quanto mais ele se lê, mais obcecado se torna. A tal ponto que a obsessão de Walter se torna insuportável e  pode colocar em risco não apenas a sua família, como também a sua própria sanidade mental.

Joel Schumacher que assina a direção do longa é conhecido por sua inconstância quanto à qualidade de seus filmes. Na direção de “Número 23” ele foi duramente criticado por alguns e mornamente aceito por outros.

 

Conselho: atentem para o detalhe da figura do cão no filme. Brilhante!

 

Dirigido por Joel Schumacher. Com: Jim Carrey, Virginia Madsen, Logan Lerman, Danny Huston, Lynn Collins, Rhona Mitra, Mark Pellegrino, Bob Zmuda. Gênero: Suspense